Sunday, December 20, 2009

correndo por entre os carvalhos...

correndo por entre os carvalhos
caiu
as vestes negras emaranhadas
nos galhos
nas folhas
os olhos no céu e as aves
que se aproximam
rasando
até pousar sobre si
um enorme corvo
azeviche
sobre o seu ombro
exposto
exala longamente
silenciosamente
afastando o corvo
à medida que se levanta
encostada aos enormes carvalhos
e corvos são anjos
ou homens
cavalos e espadas
resplandecentes
e asas que a erguem rumo
à copa
e ele sorri
e não se vêem mais vestes
brancas nem negras
corvos nem gente
apenas
um gigantesco carvalho e
longos cabelos
negros
acobreados
anelados
nos dedos dela
enrolando-se nos galhos
e nos pássaros
e roçando o chão
e o carvalho erguendo-se
em direcção ao céu
e o riso largo
ecoando por entre a floresta
hoje
ainda hoje

Saturday, December 12, 2009

wasting

wasting my life
so much
better save it

for another time

I said.

Thursday, December 3, 2009

se o que eu digo

se o que eu digo te fizesse sorrir
seria o vento na minha boca
como um vendaval por vir
o que te digo é feito
de lentos amores
que hão-de vir
pois que te faço sorrir
por entre gemidos
ganidos no escuro
aos ouvidos de quem te ouça
ouvi quieta e quase muda
e ofereci-te o vento frente
à tua face escura
sorri agora
pois que te peço
e se te dei a dor o gozo
e a agonia do verbo
posso pedir-te o sorriso
rente ao vento que atropela
o meu passar

baby don't cry

baby don't cry
I'm still here
I'll stay
I always stay
baby don't cry
my tears
its not worthwhile

Tuesday, November 24, 2009

Acção de Graças

Quinta-feira darei graças por estar viva
porque senão chegando já a morte
me encontraria ida
quinta-feira darei graças
pelos desencantos e desencontros
os risos
e a chamada surpreendida
chegando me trouxeste a vida
de novo gorda faceira de cheias
trémulas nádegas
redondas e quase descobertas
ao sol que irradia
todas as manhãs
pela janela onde ela se me debruça
e acarinha
Há muito a não via
deste lado do mar
onde não alcança meu olhar
Mas agora monto alazão
cavalo bravio e corro
desgarrada pelo sal adentro
Chegando-te me cheiram alecrins
ruas estreitinhas
pregões estridentes
e coisa de raiz
de Santa Joana a Princesa.
Pois que se me despenque de novo
do velho céu a mal amada
chuva miudinha
pois que por agora
ainda a morte me encontra viva.

E Senhora sou que morrer possa
apenas quando chegar o dia.

Monday, November 23, 2009

at five o'clock in the morning

at five o'clock in the morning
as if time mattered
you woke her up
and left her
weeping
go back to sleep my child
at five o'clock in the morning
the sun was shining
and I was passing
for time had let me go
at five o'clock in the morning
I'll kiss your forehead
from the heights of S. João
I'll be here when you arrive my child.
and I'll depart
for time is about to let me go.

23rd November III

I pray
be my guide
my light
and my strenght
cross the walls from space
from flimsy bodies
and useless rain
and be my light
for a hundred and seven years
is a long time
and my wrinkles you did not strike
I pray
from the depths of me
be the woman I need you to be

23rd November II

I beg you to come to me tonight for she will not be here
to hold me tight
I know you'll come to me tonight for you are here
and never died

November 23rd

a hundred and six years ago
a mild lament a warm breast
and I was born
to raise all but my own
to rise from poverty and shacks
to laugh strong and hold a head
that never bent
a hundred and six years ago
my dear
you were the heart of my chest
the long nails across my back
and the bloody tears they all would shed
a hundred and six years ago
an immaculate morning
and the days to be...

the words

no rapturing lips no moaning in your ears
no Xmas gifts no New Year Eve
not even hello across the street
nothing
but the words
and the words
will suffice.

no sorrows

no sorrows no regrets repentances
or disappointments
in the present
just a beach a shell an ever ending wave
that will take me away

in there I will find
today and tomorrow
hand, head, an arm and a leg
and the next day
another arm
another leg
and in the end
you'll just hug me.

target

I never aimed at perfection
at princes
or at pristine men
I aimed at the wrong target
and hit the bullseye
Now I see you walking through the door
tall and handsome
any one of these Fridays

I'll make sure to keep the arrows down.

Saturday, November 21, 2009

dos Brasis

Cuida-te dos Brasis
terra onde tudo dá
Tupis araras e tamanduás
cuida-te do pau
que tinta sangue e madeira
rubra fez nossa gente surda
aos apelos de quem por lá penava
entre formigas monstros e
uma ou outra índia
que seus filhos à morte sonegava.
Cuida-te de terras estranhas
iluminadas de mil vozes
de papagaios cantores
e padres em clamores.
Cuida-te de mim
que sou de lá e daqui
e por tanto me fiz
alada quase nada fio
e fumaça desvanecida
na aurora amarga.
E porque não sendo de lá
nem daqui
morro amiúde na agrura
de ir e de voltar.
Cuida-te de mim
pois que não tenho lugar
e se mal te percaltares
perderás raízes e flores
galinhas
mangericão
e Gente
filhos de D. João
que se acabaram em vão
pelos Brasis.
Fia-te de mim
que gritarei de peito aberto
te salvando das ruínas da cidade
invicta, Lisboa antiga
roubada aos Mouros
e de ouros fugida dos meus braços.
Fia-te de mim
Cuida-te de mim
pois que de escravos sobrevi
mas guardando amarras
vivo à deriva sentida
meia morta ensadecida...

Thursday, November 19, 2009

its never

its never the pain that tears us
its knowing there's no sowing it
pois com linha alguma poderei eu
remendar a amargura

Monday, November 16, 2009

drum box

do you remember she used to fall
asleep
listening to your heart beat?
the beat beat of her heart
fills the room
muffled by the pillows
and the willows
by the window
where I sit to hear it
louder than the wind
outside
In her room
nothing sounds
but her heart beat
while her blood
wets her bed
at night
remember?
blood keeps flowing
like a flood
thus the heart
loud
like a drum box
making sure
she doesn't die
in the wet bed
in the middle of the night
afraid
like a child
a so very small child
I sit outside
and listen
just so I can whisper
"remember?"

Tuesday, November 10, 2009

mercy

Maybe you could slide by
and slit my throat
with one single cut.

Instead of leaving me here
dripping bloodless endlessly.

dead

I wanted to die again
in your brown hairless arms
I'd be dead in the beauty
of a dreamful passion
and a thousand and one
days yet to come
I would have died
warm and cozy and
crying for all the love
I would be missing.
I wanted to die again
but not like this.

stones

I carry stones in my mouth
sidewalks of stones
in black and white
where my feet should tread

I carry your stones in my mouth
from the outside in
with no path where to land my aching feet

then

feet turned roots in your hands
and my mouth opened wide
stones rolling from your name
onto mine
small stones
setting ground
between here and there...

Thursday, November 5, 2009

By Philip Krummrich, with thanks from me

A Sonnet for Paula

The kidney stone is not the string quartet;
the broken tooth is just a broken tooth:
the stinking pain, and not some jagged truth
or beauty.  All the fractures must be set
in plaster, not in odes. There is no art
that must be bought with suffering, no pain
that must be welcomed for aesthetic gain;
no song requires the hacking of the heart.

“O poeta só é grande se sofrer”
is twaddle: she is great because she’s great,
although she also suffers. It’s not fair:
what is? Her body bears the sodden weight
of pain; she makes her music nonetheless:
in spite of, not because of her distress.

Wednesday, October 28, 2009

Cabo Verde, águas de terra

Menção Honrosa, XXV Prémio Internacional de Poesia Nosside 2009

Cabo Verde
águas de terra

engulo em seco várias vezes
é a saliva que nos sustenta
não desperdiço águas agora
agora deixo que se acumulem em mim
faço de mim um imenso reservatório
para poder voltar com alguma coisa que dar
preciso guardar todas as águas que algum dia poderiam servir
para matar
a sede e a fome
da minha gente
por isso engulo em seco
não choro
nem me dispo
para quem possa comer-me por dentro
livro-me apenas das velhas impurezas
conhecidas
mas guardo as outras
as outras intensas
escorregadias
cataráticas águas
com que salvarei a vida
dos meus netos
um dia
quando voltar à minha terra
cheia das águas que guardei
e que nesse dia despejarei
e rios correrão
nas minhas ilhas de fogo santas
praias que não desaguarão no mar
haverá água depurada
filtrada em mim
e meus filhos
já terão saciado suas sedes.
Haverá quantas águas guardar aqui.
Engulo em seco
a saliva que sustento.

Cape Verde, Earthly Waters
XXV International Poetry Prize Nosside 2009
Trans. by: Paula Gandara and POR111, Miami University, Fall 2009

Cape Verde
Earthly waters
I dry swallow various times
it is saliva that sustains us
I don’t waste water now
now I let it accumulate in me
I make of myself an immense reservoir
so I can return with something to give
I need to hold all the waters that one day
might be able to serve
to  kill
the thirst and the hunger
of my people
so I dry swallow
I don’t cry
nor do I undress
for whom might eat me from within
I get rid of the old known impurities
but I keep others
the other intense
slippery
cascading waters
with which I will save the life
of my grandchildren
one day
when I return to my homeland
filled with the waters that I kept
and in that day I will pour
and rivers will flow
in my sacred islands of fire
beaches that will not flow into the sea
there will be water purified
filtered in me
and my children
will have already satisfied their thirst.
There will be as much water as I keep here.
I dry swallow
the saliva that I sustain.

Tuesday, October 20, 2009

wings

these colors of mine never saw you before
may never see you again
beyond such two hours and some minutes
of the same colored skin
touching thought and soul and body
or the more that
it is
and you paint
in red and blue
and the more that it is
that I write
in black and white
drafting a lifetime that should have been.
Brother and sister
you carry my pens in your canvas without laying eyes
on me
and I paint your shades
in words and sounds and closed eyes
for English is so little
such a tiny little tiny little bit of me
to offer you ...

Thursday, October 15, 2009

manha-tan

before it was joy and glory and morning
the sound of the bells and the opening gates

it used to be blissful and gay and filled with the fury
of being
so much more than simply morning

that's how it used to be
every time I landed
in your hometown

now now now

as the bells tow
and tow and tow
they tow for me
lost and sick and scared
in cabs and east and west
in spite of you

they tow.
not because i'm dying
but because it will always be dawn
in manhattan
whether I survive. or not.
but manhantan manha-tan
manha-tantantantan
like you
and me

its broken

just the broken sound of some
mornings glued with invisible hiffens
to towing bells far far far faraway faraway

like me

and I

and you
and who
I was
in those blissful mornings

my man

my man was a good man
the walls tumbled
the roofs shook
my good man sank
far from the fallen walls
and the sunken roof
he was a good man
just not in a storm.

Tuesday, October 6, 2009

Desaparece-me por cá logo

Não me apareças à frente
don't even dare
nem à frente nem detrás
I will not even see you
and it is not because I have gone blind
Não me apareças
Don't show up
in the morning
in the afternoon
or late in the evening
especially late in the evening
the show is over and I'll be busy
reading
congratulations
If by any chance
you forget
and I stumble upon
something
on my way down the stage
I'll simply say
Desaparece-me por cá logo.
Much nicer than fuck off
wouldn't you say?

Grave

I swear on my auntie's grave
grave
the grave
grave foi a mentira
atrás da mentira
e outra mentira
it was not the grave of the aunt
she is dust ashes and nought
gravemente ferida fui eu
e
ela
e
ele
who is on his way to his grave
where he will face her
e de rosto grave e postura contida
dirá
it was a white lie
I knew you were standing by
all the time
it was a white lie
não foi grave
grave é a morte!

Lies

he didn't lie
he walked to the train
as to slain
itself
.in my language
words are male
and female.
but his words
filled with dirt
got on the way
and he simply killed us
by mistake

and then again what difference would it make?

Sunday, October 4, 2009

o céu de Lisboa

as janelas do oceano
que me levariam
daqui
para a língua clara
que ilumina o céu de Lisboa
fecham-se na minha cara
e desse mar aberto
fica apenas o resquício da luz
no som
da tua voz
notas rosas de nuvens
dedilhadas por Deus
num céu que já não é meu...

Here

If I open the window of your voice
I can hear the sound of the waves and the lingering murmur
of the beasts
that haunt me
in the silence of the sea
here

Wednesday, September 30, 2009

um

de todos os poemas que escrevo
um
para te dizer entre muitos
poemas
que todos os poemas que escrevo
escrevo para ti
tu
que entre todos me lembras
que respiro

E te fazes menino
e te embalo
ao som de todos os poemas
que escrevo
para ti
E se assim dormes
nas amadas palavras
serás meu filho
porventura
e meu corpo
um enredo de menino
perdido
entre poemas e teias
que teço
uma a uma
para ti

sms

o céu cor de rosa e a tua voz
num soneto por sobre o mar
em segundos
eu que sou sal e água
não preciso de ondas
deito-me
e deixo que nades
sobre mim

Tuesday, September 22, 2009

my first name

calling me by my first name
he says its him
I know, I say
how do you know?
I know the sound of your voice
Oh!

a stone a pebble
under your tongue

my first name
to anyone
anywhere
that's how it is here

but the sound of my first name
in your tongue
in the sound of the air
passing through teeth
your tongue
touching the sky of your mouth
saying my first name
me
pebbles
small stones
washed in the river of your
American saliva
my first name
me
Socrates
walking by the ocean
practicing his speech
not stuttering anymore
the sound of my first name
under your tongue
I imagine there must be some Greek in you...

Medicine doctor

sometimes someone summons me
in love with me
so they say
so have I summoned you
somehow in love with you
not that you truly heal me
medicine doctor
but that the sound of your voice
silences my insanity
its not the sleeping magic
that invokes
its the sound of vaguely
sensuous blue eyes
intently upon me

intriguingly foreignly alone
naturally on the verge of dementia

its the sound of blue havens
and heavens and ports of arrival

so I am in love with you
or so I say
like sometimes
someone or other
say
simply staring at me

Sunday, August 30, 2009

Silêncio

O ar rareia
respiro alagada
a areia ardente
que cospe tua boca
amada
silêncios imensos
onde nado sereia
e respiro a areia
com que a tua raiva
queima
minhas loas
lançadas às chamas
de tua boca
seca
com que me punes
E atas minha boca ao mastro
minhas mãos abertas
ao silêncio
para que morra
buscando esperando arranhando
a surdina
raio de tua voz
ausente

Friday, August 21, 2009

and Father everywhere

A small bed
the most beautiful picture
atop
your Father everywhere
.and my blind love.
I want to save you from ourselves
but Saint Jorge has punished me
closing my road to tears laughter and
the courage to throw it all away

I can see the small bed again
atop
my Saint of devotion
sneakily smiling at me.

There is hope
as I am thrown against the wall
his hands up high
between my legs.
We pray.
The paths are open.

I will see the small bed again
I will whisper to your Father
I will not protect him from desire
and he will learn faster
swifter
he will be smarter.
.through me.

He prays with me
kneeling
knowing nothing.

Fly back

I just realized I fly for fourteen hours straight
so I can bless the sense of firm land
no matter where
I realized I fly from an open ocean
to encircled lakes
I fly
so I can fly back.

Neverland Alwaysland

For Xmas
we'll swim back to Neverland
and make sure to stay there
the four of us
my angel, warrior of the open paths
who now dresses in black
ornating his red beard and ruby sword
my girl, dreamer of the world to be
who roots her feet on the ground
and foresees the era of the Aquarium
our baby boy, breastfed by Venus
a cloud of fish in the sky.
For Xmas
we'll swim back to Neverland
under the blessings of Ogum
me and you
holding the train of time.

De peixes e alados cavalos

Rasguei dezenas de cartas
galguei milhares de quilómetros
atravessei céu e mar
apenas para te encontrar
sentado no degrau errado
da única escada que eu não subira.
Alcançar-te para lá da escada
fora das cartas das estradas
dos oceanos de tempo e
das políticas mesquinhas
consignadas pela pele olhos
músculos e cabelos.
Deixar que me alcances
quando frente a ti
apenas meu rabo alado
roçando teu rosto.
Rasgarei calendários
destruirei estradas
e com meus cascos
levantarei o pó do tempo
até que de novo vôo
meu rabo alado
roçando teu rosto
crina descendo sobre os olhos
e tu
outro.
Atravesso de volta contra o tempo
na potência da esperança de não morrer
jamais a cada ano que vem
e de que cada ano sejam três meses
e que tu me envies aéreos corações
de propulsão amorosa
embrulhados em redes de pescador
e sorrisos de homem feito
fazendo-se ao mar sem medo.
Atravessarei o tempo sentada
nessa mesma rede
e saberás do amor.

Monday, August 10, 2009

a tua mesa posta

Sem vento não vieste nem cheiro de ti cheirei
passei à tua beira como se nem minhas noites fosses
mentirosa sorrio com baldes e baldes cheios
dependurados debaixo da minha saia
baldes de palavras aguadas tão ínfimas
que não são mais que lágrimas
carrego baldes de lágrimas em sorrisos
que finjo linda cantando em tom maior
enquanto não vens finjindo não me ver
nem cheirar nem sonhar em tuas noites
na tua cama sem que me possas tocar
fico eu mesa que fui carregada de morangos
em tua boca posta a mesa em tua boca
esperando o vento chegar
entornar os baldes das palavras
das lágrimas chuva por sobre o meio de mim
arbusto carregada
dos morangos
da tua boca
sobre a mesa que sou suspiros de vento
na minha boca a cada morango embebido em mim
a tua mesa posta

como seria bom morrer de amor

como seria bom morrer de amor
só porque sim já que não morro de não
nem de falta de pão
ah como seria bom morrer de amor!
só a olhar para ti enlanguescida
perdida da razão e de qualquer outra oração
que não seja a do Santo que te abençoa
ah seria bom ir de amor
eu que tenho de ir da morte de cada dia
de cada partida ida insana vida
como seria bom
morrer
de
amor...

Sunday, August 9, 2009

S. Jorge

não é saudável
S. Jorge da Mina nos salve
não é saudável
S. Jorge de Capadócia nos proteja
não é saudável
S. Jorge da Praia nos carregue no colo
pelos gelos do desamor
Eu sou Ogum Iemanjá e rezo Avé Marias
pelas almas das crianças que fomos
Tu são
Jorge não
ela deixou-te e eu salvar-te-ei das dores
ela deixou-te e eu salvar-te-ei das dores
e de costas voltadas fiquei sem espada nem escudo
e de costas voltadas se abriu a porta da besta
célere que me arranca os olhos
se abriu a porta da besta
sádica que de foice me corta as mãos
S. Jorge da Mina da Praia de Capadócia
quero chorar mas como se sem olhos?
quero rezar mas como se sem mãos para levantar aos céus?
Jorge sou eu e Ogúm e Iemanjá mãe menininha
sou

sem segredos nem medos
que não seja o de ser negada
S. Jorge nos salve das dores do desamor
são
Jorge

Saturday, August 8, 2009

daqui a anos

talvez saibas o que te digo
e apenas porque és água rubi jasmim
e só porque assim te fiz assim serás
ou não saberias jamais
talvez saibas que triste é a morte
e que lábios foram feitos para beber e dar
talvez saibas que morrer é negar
à borda de água a gota sede inteira
pronta para ser areia
talvez bebas as lágrimas que choro
hoje eu que crio de lágrimas
cada maré cheia
meus olhos que te banham
tua pele agora grossa feita
vinte anos passados
verás meus beijos no mar largados
e que seja sempre assim
pois não fui mais que fim

Friday, August 7, 2009

Peixe

faço-te luz raio vermelhos seriam teus cabelos
ultrapassando todas as outras luzes
de unhas longas como grãos de areia
que só vês
cheiras sorris e sussurras que não
não faças assim
quando ainda te lembras
de côcos derretendo por ti
só porque sol te vejo e de manhã sorrio
a boca serena infantil cheia naúticas velas
teu suor sorrindo sempre como rubi em mim
teus olhos de sorte nos olhos de quem se mira
no relance de cada passo
porque te amo e te encontro
e guardo a luz das pedras verdes
com que me sorris escondido no meio do não
de suor e areia que bebo engulo deixo
que escorregue no único prazer que ofereces
jasmim do mar
jarro de sal
justa de medusa
ganho porque estás ali
simplesmente guardando as camas
de quem dorme incólume ao sol
dos rubis que se passeiam de leve
nos teus passos de areias douradas
impressos em minhas unhas longas
que em vão vêem os grãos que sopras
boca de jasmim salgado que não beijo
não beijo não beijo não beijo
sou peixe
e não beijo o mar só porque não quero
e rio lambendo o suor que sobra...

Sunday, August 2, 2009

Palavras de carne e osso

conheço-te de longe, o ondular do teu andar qual mar
reconheço-te os cabelos das ondas onde mergulho
incontáveis mergulhos de onde re-emerjo sereia
sorriso de um ano de olhos fechados
em que de manhã me acordavas
debaixo das águas límpidas e quase tão frias
da piscina natural onde te vi nadar como virgens meus olhos
teu corpo humano desejo apenas de me orgulhar de ver-te
nadar
sempre
e levantar teu rosto aberto em direcção a mim
eu que te espero sempre do outro lado do sonho
metade gente metade urso
pois que hiberno por um ano
e por um ano me esqueço que sou
nos teus abraços de mar.
E te guardo.
Nos olhos húmidos da minha quase noite te passeias
até que eu não queira acordar porque o dia não és tu
e dias infindos são
...até que te vejo carne e água e cabelos e algas e desejos
e um peito cheio de palavras douradas e azuis que me fazem sorrir
cheia de peixes
e por um dia pelo menos por um dia de um só ano recebo de viés
o amor que nos demos e de viés não durmo
porque já é areia cana de pesca e mar
e a tua mão leve sobre meu ventre
meus dedos pássaros em teus braços e a certeza de que sim!
E guardo todas as águas e amadas algas e dedos de onde te farei
carne e osso imprimido a negro
em água e pasta de madeira e te farei eterno
letra palavra a eternidade de um amor sem tempo
eterno como para mais ninguém
pois que sem tempo nem espaço te amo
e amarei
como não amam meninas mas sereias
sim

Friday, April 24, 2009

Construindo Germano Almeida, Nova Vega, 2008

O objectivo do estudo que aqui efectuaremos prende-se com a elaboração de uma síntese de algumas das abordagens possíveis à obra de Germano Almeida. A ideia que nos guia baseia-se na possibilidade de integração das várias áreas teóricas de estudo aqui em foco, de molde a alcançar uma nova e holística visão do texto almeidiano em conjunção com o mundo que o rodeia. Partiremos de abordagens literárias e terminaremos com uma hipótese de trabalho alargada ao ramo das ciências naturais. Pretendemos com este último capítulo abrir hipóteses de trabalho tanto ou quanto válidas como as primeiras, com a vantagem de obrigar o autor-leitor primordial desta dissertação, a signatária, a assumir um ponto de vista totalmente distinto daquele que tem caracterizado os seus estudos até ao momento. O último capítulo desta dissertação não tem como propósito questionar a validade das interpretações efectuadas nos quatro primeiros capítulos, mas sim o de apresentar uma outra e perfeitamente distinta hipótese de trabalho, hipótese esta que terá como objectivo originário o de apontar o modo como as abordagens iniciais, do ramo da teoria da literatura, se podem ligar a um novo espaço, mais aberto e harmónico, onde essas teorias possam encontrar um desenrolar distinto daquele a que nos habituámos, o de uma solução inexistente num mundo fragmento que mais não pode fazer do que reconhecer isso mesmo.

Horas de Lingua, Edit. Quasi, 2006, ISBN: 989-552-136-7

I. Em Casa

Ontem dancei nos braços de quem não sabe onde revoluteia
um homem negro
dançarino de outras danças e tempos
uma voz que não queria
Queria apenas o corpo meio quente
as pernas entre as minhas e não me enganar no ritmo
ou enganar-me e rir
mas não
não queria cair nem ficar presa nas pernas curtas e torneadas
de quem não sabia nada de mim
filha de ti
se te tivesse esquecido poderias ser talvez tu ali
mas não
era apenas outro homem que eu igualmente desconhecia
e dancei
a música de uma terra meio mulata a que pertenço de direito e alma
quero viver naquelas batidas
afogar-me na terra e na fome que me persegue sem que eu sinta dor na barriga
Em Lisboa
dancei
uma, duas horas talvez
uma, duas músicas talvez
apenas um homem negro de óculos grossos e um sorriso de loucura varrida
me poderia ter agarrado sem ter medo da minha vida
e depois o espanto
era outro
os óculos finos
as lentes finas
a camisa justa e branca
quase sem um sorriso
apenas um tom para dançar
Sim.
Quase que não ouço porque ele nada diz.
E danço.
Mal.
Tropeço.
Quase que não consigo sorrir.
Não sei dos pés.
Procuro-te as pernas mas as tuas pernas dançam longe das minhas ancas.
Não há como seguir-te
E mudas de tom.
Dizes
Espera.
E eu ouço.
Espero.
Colaste as tuas pernas às minhas.
As mãos suadas não sabem se apertam ou se fogem dos dedos azuis que brilham
Na ponta
Colaste as tuas pernas às minhas e é o respirar mais lento agora
as pernas apressadas mas certas
não há embates
Há apenas os pés no chão
Era preciso ter os pés no chão
E quando te sorri
foi para te agradecer o teres ficado ali
E quando sorri
foi para me desculpar de não ser tão tua assim
A minha terra não é aqui
o meu pai fugiu para muito longe e eu perdi-me por aqui
não estou tão pouco em ti.
Dancei comigo ontem à noite e sorri durante horas para a escuridão das paredes e dos meninos abandonados.

Horas de Lingua, Edit. Quasi, 2006

Geometria

desenho-me internamente
compro uma lente de aumentar e um enorme espelho
mas não vejo quase nada
compro então um enorme candeeiro
uma lâmpada de luz incandescente
mas está ainda tudo muito escuro
não vejo nada
desisto da caneta e do papel
desenhar-me-ei com cuspo
para isso pego nas tuas mãos
passo os teus dedos pela tua boca
chupas os teus dedos nas minhas mãos
e com o teu cuspo me desenho enfim
um mínimo concêntrico círculo
quase absolutamente oval
que o teu cuspo configura na macieza da carne
e sorrimos espantados
já que círculos de tão diferentes tamanhos
parecem criar
um lugar
ideal
um intermédio fulcral
um sopro
de natas e ovos
que batidos
e mexidos
fariam
o momento essencial.