Saturday, March 22, 2014

esperei pela meia noite

esperei pela meia noite
pelas pedras redondas da casa azul
que de leve depositaste
em minha boca.

pela noite o mar é negro
e as palavras búzios e a casa é feita de rimas
sonetos
decassílabos de pequenas alegrias
que como
a boca aberta às ondas da maré baixa
e às delícias da cozinha
que paira em risos abafados sobre o pátio nu.

Agora
depois da meia noite
quando todos dormem e a casa escurecida respira
sento-me intacta sobre o muro que não nos separa

                   e como ainda
uma língua que é quase a minha
e que acaricia de leve um repasto saído
das mãos
de quem
é Senhor da pena da cozinha e das pedras que sugo

redondas
do pátio
recolhidas
          por entre as águas azuis da ilha
deleito-me intacta nas palavras
comida
que repousa
de leve
sobre nossa boca pouca coisa
com que se termina o dia.
quase uma
quase tua
quase minha cuspo em tuas mãos as pedras
que sugas já sugadas
que rolas já desenroladas
que beijas já desbeijadas
           em minha língua
qual Demóstenes
preparando-se para a pólis.
De manhã falarás, de noite as pedras beijarás. E depois,
Cospe-las em minhas mãos onde minha língua redonda as acaricia...
assim será outro dia.